terça-feira, 22 de dezembro de 2015

O Fantasma Baterista de Tedworth


O Fantasma Baterista de Tedworth foi um caso de suspeita de atividade poltergeist. No início da década de 1660 John Mompesson, de Wiltshire, começou a ouvir barulhos estranhos em sua casa. Havia sons de batidas de tambor, bem como arranhões e ofegantes ruídos. Objetos pareciam se mover por conta própria na casa, e às vezes um cheiro sulfuroso estranho pairava no ar.

Mompesson acreditava que um homem que ele tinha ajudado a mandar para a cadeia, um baterista chamado William Drury, tinha, por alguma forma de feitiçaria, causado a invasão de um espírito malévolo em sua casa. O caso atraiu o interesse em toda a Inglaterra, e muitas pessoas vieram para testemunhar o espírito por si mesmos. No entanto, quando o rei enviou dois representantes para investigar o assombro, eles não encontraram nenhuma evidência de atividade sobrenatural.

Os céticos, dos quais havia muitos, rejeitaram a coisa toda. Eles sugeriram que o próprio Mompesson tivesse armado essa farsa, tanto para lucrar com aqueles que vieram para ver o espírito, ou para diminuir o valor da casa (que era alugada).

Outros possíveis culpados eram os servos de Mompesson, que pareciam bastante satisfeitos com as agruras de seu mestre, e que muitas vezes zombavam dele, apontando que ele nunca poderia demiti-los porque ninguém mais concordaria em trabalhar para ele em tais condições.


Fonte: The Ghostly Drummer of Tedworth

Os Fantasmas de Versalhes


Duas professoras em uma excursão a Paris e ao interior da França passaram por uma experiência digna de um filme de Steven Spielberg. No Palácio de Versalhes elas foram protagonistas de um fenômeno extraordinário de distorção temporal, um evento que mudou a vida das duas para sempre.

No feriado da Páscoa em 1901, duas professoras secundaristas de meia-idade, Anne Moberley e Eleanor Jourdain, juntaram-se a uma excursão a Paris e ao interior da França. Foi durante uma visita ao palácio de Versalhes que as duas mulheres passaram por uma experiência de que jamais se esqueceriam. Após conhecer as de­pendências principais do palácio e sua área externa, as senhoritas Moberley e Jourdain percorreram os mundialmente famosos jar­dins que levam ao Petit Trianon, a residência favorita de Maria Antonieta.

Anne Moberley
Entretanto, como não possuíam um mapa detalhado do local, as duas mulheres se perderam e, encontrando por acaso dois homens trajando vestes típicas do século XVIII, os quais elas pensaram ser moradores do local, pediram a eles informações sobre o país. Em vez de ajudar, os homens encararam-nas de forma estra­nha e cumprimentaram-nas precipitadamente. Mais adiante, passaram pelas inglesas uma mulher jovem e uma garota, também vestidas à moda antiga, embora suas roupas fossem de má qualidade. Todavia, as professoras não suspeitaram que algo de estranho estivesse acontecendo até que chegaram ao pavilhão do Temple D’Amour, ocupado por muitos outros indivíduos vestidos como antigamente e falando um dialeto do francês desconhecido para elas.

Eleanor Jourdain
Ao se aproximarem do Temple D’Amour, ficou claro para elas que algum detalhe de sua aparência chocava aquelas pessoas. Apesar disso, um dos homens mostrou-se cordial e, por meio de gestos, conduziu-as até o Petit Trianon. Chegaram lá depois de atravessar uma ponte de madeira cruzando uma pequena vala. Ainda que tivessem atingido finalmente seu destino, as duas mulheres deram pouca atenção à construção em si, concentrando-se na figura de uma pessoa que, sentada, desenhava um esboço do bosque próximo. Muito atraente, trajando uma peruca imponente característica e um vestido longo típico da aristocracia do século XVIII, a mulher parecia mais o motivo para um quadro do que uma artista.

Elas foram se aproximando da figura aristocrática até que ela se virou bruscamente para ambas. Elas saudaram-na com sorrisos, mas ela simplesmente encarou-as com uma expressão de temor e perplexidade. Foi então que as duas inglesas por fim perceberam que, de algum modo, regrediram no tempo. Recordando-se de suas sensações, a senhorita Moberley referiu-se ao ambiente em que estava como de certa forma sobrenatural. Escreveu posteriormente: “Até mesmo as árvores pareceram adquirir um aspecto bidimensional e sem vida. Não havia efeitos de luz e sombra... as árvores não farfalhavam ao vento. ” Então, como se elas tivessem despertado de um sonho, a misteriosa quietude cessou e a ambiência e as cores voltaram ao normal. Em um piscar de olhos, a artista aristocrata desaparecera e, em seu lugar, surgira um guia de turismo contemporâneo, acompanhado de muitas senhoras em uma excursão ao Petit Trianon.

Após pesquisarem intensivamente a história do palácio de Versalhes, as professoras chegaram bastante tempo depois à conclusão de que, de fato, se deslocaram ao passado através de uma espécie de distorção do tempo ou de um portal invisível interdimensional. Em sua opinião, o ano a que elas retornaram foi provavelmente o de 1789. Para as autoras, os jardineiros que não as compreenderam eram aparentemente os guardas suíços que notoriamente estiveram na corte de Luís XVI, e a mulher acompanhada de uma garota, ambas vestidas em farrapos, deviam ser camponesas que moravam nas cercanias dos jardins do palácio. A senhora aristocrática que fazia um esboço do bosque devia ser com certeza a própria Maria Antonieta.

Os Céticos

Os céticos — em grande número — ridicularizaram essa história e insistiram que as professoras a inventaram simplesmente para ganhar dinheiro. Tais críticos apontaram de imediato para o fato de que não havia na história detalhe algum que não pudesse ser pesquisado anteriormente. Além do mais, como não existe qualquer menção a uma suposta ponte de madeira cruzando uma pequena vala em nenhum dos registros que documentam o palácio no século XVIII, esse exato aspecto da história mostrava-se incoerente com os fatos conhecidos.

A Prova

Quanto a essa última objeção, contudo, logo depois emergiu uma prova crucial que conferiu credibilidade às significativas lembranças das professoras. Na década de 1920, uma cópia lacrada das plantas originais do palácio foi descoberta em uma chaminé de um prédio antigo em uma cidade vizinha.

Escondidas lá há muito tempo, possivelmente com a intenção de um arquivamento seguro, elas foram privadas da observação humana por mais de um século. Fato intrigante: as plantas do arquiteto faziam referência à ponte de madeira sobre uma vala que as mulheres afirmavam ter atravessado. Naturalmente, as autoras britânicas reclamaram o reconhecimento da autenticidade de sua história e, muito embora tal fato não constituísse uma prova irrefutável de que elas realmente houvessem voltado ao passado, tornou-se muito mais difícil desprezar o incidente.

A despeito de o fenômeno de Versalhes permanecer talvez como o mais famoso exemplo de uma pessoa do século XX que visita o passado, ele não é o único desse gênero.


Fontes: Viagem no Tempo - Versalhes; The Ghosts of Versailles

O Julgamento das Bruxas de Zugarramurdi


Na fronteira com a França, rodeada por um vasto pasto verde onde as vacas pastam calmamente, fica a aldeia de Zugarramurdi. Localizada na região de Navarra de Xareta esta pequena vila tem atualmente apenas 250 habitantes e, apesar de ser conhecida por seus magníficos pinheiros e castanheiras, bem como para a exploração de uma caverna impressionante esculpida pela água, Zugarramurdi deve a sua fama aos eventos tristes e escuros, em sua maioria concluídos pelos seus residentes, no século XVII.

Alguns desses eventos levaram o Tribunal da Inquisição a sentenciar punições para cinquenta pessoas por prática de bruxaria.

Em 1608 os senhores da Urtubi-Alzate e Sant Per pediram ajuda urgente ao rei Henrique IV da França devido a problemas com bruxas no país Labourd. Em seguida, uma mulher de Zugarramurdi disse que sonhou que alguns aldeões participaram de uma reunião na caverna local. Seu sonho fez com que o abade de Urdax fosse procurar auxílio junto ao Tribunal da Santa Inquisição em Logroño, de onde partiu o inquisidor Juan Alvarado Valle para realizar investigações na área.

O inquisidor, depois de ouvir vários comentários e reclamações, indiciou, inicialmente, mais de três centenas de pessoas. Os mais suspeitos, cerca de quarenta dos acusados, foram transferidos para a prisão de Logroño e mais tarde foram julgados no "Processo de Logroño" (um processo que alcançou fama internacional, cruzando as fronteiras espanholas e francesas). Em junho de 1610 o tribunal declarou 29 dos acusados culpados.

Bruxa vestindo um sambenito e chapéu
pontudo, ouvindo o veredicto do inquisidor
- Caprice No. 23 por Francisco de Goya.
No "Auto de Fé", realizada em Logroño, em 7 e 8 de novembro de 1610, dezoito pessoas foram perdoadas porque elas confessaram os seus pecados e um apelo à misericórdia do tribunal, seis outros resistiram e foram queimados vivos. Cinco estatuetas foram queimadas representando mais cinco pessoas, uma vez que já tinham morrido na prisão. Cerca de 30.000 pessoas participaram do Auto de Fé no domingo de 7 de novembro de 1610, muitos dos quais eram da França.

O cortejo começava com uma procissão composta de milhares de pessoas, incluindo: famílias dos acusados, comissários, notários da Inquisição e membros de várias ordens religiosas. Mais para trás na fila havia vinte penitentes carregando uma vela na mão, seis dos quais usavam uma corda em volta do pescoço, o que indicava que eles deviam ser açoitados. Após estes, o “perdoado” andava com um sambenito (uma peça de vestuário semelhante a um escapulário) e um grande chapéu pontudo.

Em seguida, cinco pessoas apareciam carregando as estátuas dos cinco presos que haviam morrido na prisão, acompanhados dos caixões correspondentes contendo seus restos mortais. Seguiam mais quatro mulheres e dois homens, também vestindo sambenito, mas de cor negra, que significava que eles seriam queimados vivos por sua heresia.

E completando a procissão vinham quatro secretários da Inquisição e três inquisidores da corte de Logroño montados em cavalos e um burro carregando o caixão que continha os veredictos.


Fonte: The Zugarramurdi Witch Trials: Welcome to the Spanish Salem
Si prega di attivare i Javascript! / Please turn on Javascript!

Javaskripta ko calu karem! / Bitte schalten Sie Javascript!

Por favor, active Javascript!

Qing dakai JavaScript! / Qing dakai JavaScript!

Пожалуйста включите JavaScript! / Silakan aktifkan Javascript!Better Stop Adblock